Loading...

@rio_sem_gluten (@get_repost )
・・・
A ataxia de glúten, uma condição autoimune neurológica rara envolvendo a reação do organismo ao glúten, proteína encontrada no trigo, cevada e centeio, que pode danificar irreversivelmente a parte do cérebro chamada cerebelo, de acordo com os médicos que identificaram a doença há cerca de uma década.

Esse dano pode potencialmente causar problemas na sua marcha e nas suas habilidades motoras, resultando em perda de coordenação e possivelmente levando a incapacidade significativa e progressiva em alguns casos.

No entanto, como a ataxia de glúten é relativamente nova, e nem todos os médicos concordam que ela exista, ainda não há uma maneira aceita de testá-la ou diagnosticá-la.

Quando você tem ataxia de glúten, os anticorpos que seu corpo produz em resposta à ingestão de glúten atacam erroneamente o cerebelo, a parte do cérebro responsável pelo equilíbrio, controle motor e tônus ​​muscular. A condição é de natureza autoimune, o que significa que envolve um ataque equivocado de seus próprios glóbulos brancos que combatem doenças, estimulados pela ingestão de glúten, em oposição a um ataque direto ao cérebro pela própria proteína do glúten.

Este ataque autoimune geralmente progride lentamente, mas os problemas resultantes de equilíbrio e controle motor eventualmente são irreversíveis devido a danos cerebrais.

Até 60% dos pacientes com ataxia de glúten têm evidências de atrofia do cerebelo - literalmente, encolhimento dessa parte de seus cérebros - quando examinados com tecnologia de ressonância magnética (MRI). Em algumas pessoas, uma ressonância magnética também revela pontos brancos brilhantes no cérebro que indicam danos.
Dr. Marios Hadjivassiliou, um neurologista consultor da Sheffield Teaching Hospitals no Reino Unido e o neurologista que primeiro descreveu ataxia por glúten diz que 41% de todas as pessoas com ataxia sem causa conhecida podem, de fato, ter ataxia de glúten. Outras estimativas colocaram esses números mais baixos - em algum lugar na faixa de 11,5% a 36%. Leia mais em:
www.dietasemgluten.blogspot.com




3 months ago 1

48 Likes

1 Comments